Oiii, como estamos?
Bem vou começar confessando que esse é um post de desabafo e contém drama. 

História

Minha mãe e eu realizamos uma grande mudança na nossa vida: compramos nossa casa. Havia muita reforma para fazer, mas um dos fatores decisivos para a compra foi que o terreno é grande o suficiente para fazer meu tão sonhado puxadinho.

Ficamos muito empolgadas até ver o tempo passar, o dinheiro começar a acabar e a reforma está longe de finalizar. Não deu outra: precisamos nos mudar antes, encarando a obra do jeito que estava mesmo.

Toda essa história me fez conhecer um lado meu que eu não sabia que tinha. Percebi que um ambiente inóspito para organização me desequilibra muito. Enquanto escrevo, posso ver todos os meus móveis desmontados e minhas coisas abarrotadas na garagem. Sinto palpitações no peito. 

Por fora estava ótima, por dentro estava assim. kkkk [rindo de nervoso]

Estou contando isso pra você porque gostou muito de estudar e falar sobre sistemas de organização, porém lidar com essa mudança está fazendo com que eu questione o que aprendi até agora. 

Como me manter equilibrada com pessoas ansiosas ao meu redor?
O que realmente é indispensável pra que eu possa manter minha rotina?
Por que acumulamos tantas coisas sem perceber?
Qual o limite de bagunçado e organizado?
O que posso fazer pra esse ambiente não me deixar nervosa?

Preparação para a mudança

Como é de se esperar, assim que a data da mudança foi estabelecida comecei a bolar todo um esquema de sobrevivência para esse período de 2 ou 3 semanas que meu espaço fica pronto. Listei tudo o que precisa ficar à vista, as roupas que irei usar, onde vou colocar tudo isso e o dinheiro que vou precisar para ir trabalhar. 

Obstáculos

Mas é claro que a vida é muito mais que minhas listas, não é mesmo?! Elas ajudam muito a manter minha sanidade, mas a fluidez das coisas trouxe um porção de obstáculos.

Primeiro, uma prima que veio de outra cidade para ajudar [Graças a Deus!], até aí tudo ótimo, porque mesmo o quarto sendo pequeno, é possível improvisar alguns móveis para nossas coisas. O que não contava é que outra prima havia combinado com minha mãe para vim no fim de semana, pronto, já não havia espaço!

tentando manter a classe…

OK! Me instalei na sala com a primeira prima, mas me vi reclamando internamente ao fazer atividades simples. Exemplo: encontrar uma roupa na mala [perfeitamente organizada] complicou porque havia outra mala e roupas jogadas em cima dela. Mas, tudo bem, elas voltam hoje para suas cidades. Porém devo confessar que essas 2 primeiras noites não foram fáceis.

Será que estou exagerando?

Segundo, não tem uma área de serviço na casa, aliás nem um tanque de lavar roupa, porque não deu tempo de nada disso ficar pronto. Ou seja, um armário minimalista é ótimo, mas agora o fato de ter pouca roupa e que não posso lavar é no mínimo desafiador. Nada que me deixe muito chateada, afinal há menos roupa para adicionar a enorme pilha da casa quando o tanque for instalado. 

Saudades de você máquina de lavar.

Ah… menstruei no dia da mudança! Um dia que mal consegui beber água, que o exercício foi levantar caixas e a meditação foi… nenhuma mesmo. Resultado: cólica e minha energia saindo pelo sangue.

Minha sorte é que não estava sozinha e que a dor veio com força um dia depois, porque consegui ficar deitada até me recuperar. Nessas horas prefiro respeitar a natureza mesmo, não consegui manter os hábitos que conto nesse post, mas o que fazia antes dessa bagunça toda começar me ajudou a ficar sofrendo apenas uma manhã.

Eu me sabotei na verdade…

Pra completar, a taxa de ônibus aumentou ontem, e eu não me preparei financeiramente para isso, terei que rever os números e a quantidade de viagens. 

Logo agora vei?!

Conclusão [não tão concluída assim]

Esse é só uma parte dessa saga. Há 3 meses, quando tudo isso começou, me comprometi em compartilhar com você. Mas acredito que o melhor a fazer é um compilado de coisas que deram certo e errado nessa obra “odisseica”. Como ainda tem muita coisa para acontecer, contarei tudo no final, inclusive as lições de como uma pessoa que se considera organizada sobreviverá com pouco espaço para se organizar e lidando com ansiedades alheias, trabalho, prazos, clientes e mais bagunça de obra. 

Oh God!

ps.: Não há podcast desse artigo ainda por motivos de eu não tenho privacidade pra fazer isso. rsrs

Voltou depois para contar o resto.
Cheiro pra você.

Continua…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *