Oii, como você está se sentindo hoje?

Há algumas semanas tenho me questionado sobre amor próprio. É comum as pessoas falarem sobre isso com você? Qual o conceito que “vendem” pra gente de esse assunto? O que realmente significa amor próprio? Somos incentivados a desenvolver esse sentimento essencial?

Bem, primeiro deixa eu te contar porque essa ideia tem martelado minha cabeça. Durante toda minha vida vi pessoas passando por situações difíceis em relacionamento. Eu mesma passei por términos, discussões e rejeição. Pensamentos como: “quero ser amada”; “porque _______ não me ama?”; “o que há de errado comigo?” ou “porque não consigo achar um homem que me ame”, já passaram muito na minha mente.

E, olhando por esse ângulo eu percebo como o conceito de amor está diretamente ligado com um relacionamento a dois. Mas e o que temos com nós mesmas? Conseguimos perceber, como esse relacionamento é decisivo para qualquer outro que possamos ter na nossa vida? Seja amoroso, entre amigos e família.

O que sabemos sobre amor próprio?

Algumas vezes o amor próprio é ilustrado ao lado de uma certa arrogância. O que faz com que ele seja, de certa forma, um culto ao ego. Particularmente, me parece um conceito muito superficial e que tende a posturas e resultados negativos.

Nessa perspectiva, Amor próprio não é sair gritando por aí: EU PRIMEIRO! como se as outras pessoas fossem menos importantes. Amor próprio também não é uma desculpa para convencer os outros que você é a perfeição em pessoa, quando, no fundo, nem mesmo você acredita nisso.

“Eu sou uma super amiga”- Mean Girls

Na verdade, quando esse conceito é manifestado com qualquer tipo de superioridade só atinge resultados contrários. Porque as pessoas sabem que só falamos isso quando precisamos de afirmações externas. Ou seja, que é só uma forma de “me vejam”, “me notem”, “me amem”. E a resposta geralmente é: “quem essa pessoa pensa que é?”

Então, acredito que amor próprio não precisa de aprovações e manifestações externas.

“Seja uma solteira feliz”

Outra visão comum de amor próprio é relacionada a solteirisse. O que leva mais uma vez a linha de pensamento que amor é igual a estar em um relacionamento a dois. Se você fizer agora uma rápida pesquisa no Google sobre esse assunto, provavelmente vai encontrar muitos, mas muitos, artigos do tipo: como ser solteira e feliz ou inúmeras frases para status de facebook/whatsapp.

E de fato, toda essa reflexão começou quando eu ouvir uma história de alguém muito próxima que está passando por outra delicada situação amorosa. Não vou entrar em detalhes, até porque eu não conheço o caso a fundo, mas frases como “eu sou uma pessoa maravilhosa, porque ele não entende que é uma sorte me ter?” ou “Deus, quando vou encontrar um homem que me faça feliz?” foram mencionadas.

Eu sendo aquariana internamente: “Porra mulher se recomponha! Tenha algum orgulho, pelo amor de Deus!” – Friends

Devo confessar a vocês que diante de casos assim, meu lado aquariana fica em desespero.  Mas tento respirar fundo e ser o mais compreensiva possível. Porém, não deixo de ficar inquieta por ver mais uma pessoa que claramente não tem noção que a felicidade depende dela. Me pergunto: Por que temos a tendência de terceirizar nossa felicidade?

Nem sempre pensei assim

Eu não tenho o direito de julgar ninguém, até porque já estive no lugar dessas pessoas. Quando criança, por exemplo, sonhava com um certo jogador de basquete que tocava saxofone na minha escola. E pensava quando ele iria me enxergar? Também me questionava quando iria conhecer o homem dos meus sonhos, ou porque outro rapaz com quem tinha um rolo simplesmente não me amava como eu achava que amava ele. Normal…

Então, em certo ponto da minha jornada, comecei a observar esses meus pensamentos. De repente, as questões mudaram. Comecei a pensar no porquê estou fazendo isso. Porque estou colocando toda essa carga de responsabilidade sobre minha vida em outra pessoa? É só em um relacionamento que vou está feliz e completa? Quando comecei a acreditar que NÃO sou uma pessoa completa? Será que amor é isso? Colocar um fardo cheio de expectativas e ansiedades minha nas costas de outro ser humano que já tem o próprio fardo pra carregar? Afinal, onde está meu amor próprio? E o que isso significa?

Então amor próprio é…?

São muitas questões não é? Acredito que não cheguei na resposta de todas elas, mas vou te contar o que aprendi sobre amor próprio até agora.

Acredito que se amar é mergulhar fundo no mar do autoconhecimento. E essa deveria ser nossa primeira missão aqui na terra, para que possamos ser mais gentis conosco e com os outros.

É assumir a responsabilidade sobre nós mesmos. E assim, compartilhar de forma saudável nossas vidas com as pessoas ao nosso redor, independente de está ou não em um relacionamento amoroso.

É entender que temos qualidades e defeitos, que eles devem ser reconhecidos e cuidados sem que nos apeguemos muito a eles. Assim, a gente pode fazer uma triagem do que faz bem ou não, para nós e para as pessoas que convivemos.

Mas principalmente é reconhecer nosso protagonismo nessa jornada que é tão individual. O roteiro comum de vida é apenas uma ilusão. Não precisamos obrigatoriamente conhecer uma pessoa, se apaixonar por ela, casar, sair da casa dos pais, ter filhos, trabalhar duro para sustentar essa vida, assistir eles crescendo e depois eles saindo de casa para prosseguir o mesmo roteiro, envelhecer e morrer. Se você não está em algum estágio desse cronograma, tá tudo bem! Sua história é só sua, é única e inédita.

E foi feliz para sempre!

Sejamos criativas(os), vamos procurar chegar nos nossos sonhos sem terceirizar tanto as etapas. Nesse contexto, nossa felicidade realmente depende de nós! No momento em que você e eu conseguirmos absorver essa forma de ver a vida, todos os relacionamentos tendem a ser bem mais saudáveis. Isso porque se o principal relacionamento que devemos ter é com nós mesmas.

Lógico que o começo desse processo não foi tão simples como parece que estou apresentando. Vez ou outra o pensamento “o que há de errado comigo” insistia em se manifestar. Mas eu tenho um propósito: vou me fazer feliz. E principalmente, eu sei que estando feliz posso contagiar muitas pessoas ao meu redor. Então optei por deixar esse pensamento ir, me abrir a novas possibilidades e pensar: qual gentileza farei hoje pra mim?

Agora vou te contar algumas delas:

  • Desenvolver hábitos de autocuidado;
  • Escrever meus sentimentos para tentar entendê-los e lidar melhor com eles;
  • Repetir no espelho frases de carinho (você está linda, as melhores pessoas do mundo estão perto de você, você merece ser feliz, você foi muito bem hoje, você é suficiente, etc);
  • Tentar todo dia ser a melhor versão de mim mesma;
  • E se eu falhar, tentar não ser tão dura comigo;
  • Respeitar os sinais do meu corpo. Percebi que sempre que estou pra adoecer, meu corpo me manda pequenos sinais, quando negligencio, fico de cama mesmo;
  • Cuidar do que coloco dentro do meu corpo. Alimentar-se bem também é ato de amor, você não daria porcarias as pessoas que ama não é?
  • Me levar pra passear e se divertir. Sim, eu gosto muito de curtir as pessoas que amo, mas também gosto de apreciar um cinema, um restaurante ou uma cafeteria sozinha. Só gosto de ter um livro pra viajar ou um caderno pra escrever;
  • Valorizar minha horas de sono;
  • Quando comprar o que realmente preciso e me faz feliz;

Enfim…

Nossa, esse assunto fica cada vez melhor quando começo a pensar nele. Eu eu ficaria ainda mais feliz se conseguisse fazer com que mais pessoas sentissem essa libertadora experiência de tomar as rédeas de seu felicidade se amando verdadeiramente. Mas sem apologia ao ego, apenas fazendo para si o que deseja tanto fazer ou receber de uma outra pessoa.

“Are you happy with yourself?
Yes.” – Beyoncé – Pretty Hurts

Quero deixar claro que não sou contra você querer está em um relacionamento. Pelo contrário, afinal, somos seres sociáveis. Mas acredito que é muito mais saudável encarar as pessoas com quem nos relacionamos como parceiros(as), seres individuais com quem caminhamos lado a lado, compartilhando a vida.

Falar de amor dá mesmo muito pano pra manga. Se você quer que esse assunto se estenda mais, conversa comigo aqui nos comentários ou no inbox do instagram.

Nos vemos em breve.

Com carinho,
Anna


Gostou? Compartilhe por aí essa ideia.

Extra

Playlist do amor próprio
Vídeos inspiradores sobre o assunto

Creditos:

Foto de destaque: Cammy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *