Antes de mais nada, gostaria de te contar que, como filha única, aprendi a processar sozinha os dilemas da vida. Acredito que essa se tornou minha maior habilidade. E a melhor forma que encontrei de fazer isso foi escrevendo.

Desde que me conheço por gente crio histórias na minha mente pra entender ou expressar o que sinto e vejo. Aos 12 anos, pelo menos que me lembre, comecei a escrever tudo isso em formato de diário. Algum tempo depois perdi a motivação pela escrita. Talvez porque ela se tornou uma obrigação acadêmica. Agora percebo como essas histórias se perderam ao longo dos anos.

Ok! Confesso que só de pensar em começar algo do zero depois de 3 décadas de vida já me faz querer desistir e voltar pra minha cama. Além do mais, essa não é a primeira vez que tento um blog. Na verdade, já perdi a conta de quantas vezes falhei ou abandonei essa ideia. Porém, tudo parece diferente agora. Talvez sejam os astros, mas me sinto mais madura e segura, mesmo com medo. Tá, essa foi contraditória. Mas depois de tantos anos e experiências, me sinto pronta pra seja lá onde for que isso tudo me leve.

Então a ideia é a seguinte: vou me encher de coragem e da criatividade que me resta para por essas histórias no mundo. Firmo meu acordo com você, que se estiver lendo isso, realmente é especial.

O fato é que, acredito que livros, contos, até mesmo os textões de redes sociais são uma forma poderosa de expressão humana. Podem construir e destruir, mas principalmente nos ajudam a lidar com o mundo.

No mais, desejo que as notas e crônicas malucas dessa cabeça te divirtam, inspirem e tragam uma pitadinha de esperança. Afinal, vivemos em um mundo tão caótico, que dar conta de tudo sozinhas é de lascar!

A primeira história aqui envolve uma garotinha de 6 anos e uma cartilha de ABC desaparecida.

Te conto tudo no próximo post.

Com carinho,
Anna G.

Nóia da vez: Estou ouvindo Ain’t Misbehavin’ de Louis Armstrong and His Orchestra enquanto escrevo esse post. Chique não é? Ou será que quero me convencer que devo ser intelectual pra fazer isso aqui?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *